Seja bem-vindo ao Sandra Bullock Brasil, sua maior e melhor fonte de notícias sobre a atriz no Brasil. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas, novas produções e muito mais, além de uma galeria repleta de fotos. Somos um site não-oficial, feito de fã para fã, e sem fins lucrativos, portanto, não temos nenhum contato com Sandra, sua família ou seus agentes. Sinta-se livre para desfrutar do conteúdo que oferecemos, como fotos, vídeos e entrevistas traduzidas. Caso queira repostar algo, pedimos que nos dê os devidos créditos. Esperamos que goste e volte sempre!

Se você se lembrar da semana imediatamente anterior ao Natal de 2021, talvez se lembre que fomos abençoados com um trailer caótico – mas hilário – de uma comédia romântica que parecia que realmente precisávamos disso na época.

Em meio às angústias habituais de final de ano, o trailer de The Lost City trouxe consigo uma boa e velha comédia (e química) que os fãs de cinema têm clamado. O trailer cativou as mídias sociais e fez as rondas no Twitter, principalmente por causa de seu elenco repleto de estrelas. Assim como Channing Tatum, Brad Pitt e Daniel Radcliffe, foi nosso primeiro vislumbre de Sandra Bullock retornando às comédias românticas após seu recente sucesso em The Unforgiveable, da Netflix, onde ela estrelou ao lado de Viola Davis.

Além de ser uma das nossas atrizes favoritas de todos os tempos e nos proporcionar risadas sem fim em Miss Congeniality, Bullock está de volta ao abraço familiar de comédias românticas como a romancista desiludida Loretta Sage. Juntando-se a ela no novo filme, talvez em um papel mais esquerdista para o ator, está Radcliffe, que interpreta o excêntrico bilionário, Abigail Fairfax.

Quando nos sentamos para conversar sobre todas as coisas relacionadas a The Lost City, fica claro que o filme forneceu algum alívio alegre quando era mais necessário. Bullock sorri ao me dizer: “Foi um alívio estar perto de outro ser humano que não era minha família que eu simplesmente amei cada minuto”.
Mas seu processo de pré-filmagem foi filmado com nervosismo. Ela diz: “Bem, tendo produzido também anos antes, todo dia era um pânico. Mas uma vez que as câmeras estavam rodando e você estava em cena, eu tive um grande prazer em apenas rir de todos. Mais tempo foi desperdiçado rindo, na verdade.”

Para ambos os atores, seu tempo recentemente foi preocupado com conteúdo contundente. Embora tenhamos visto Radcliffe pela última vez no aguardado especial de reunião de Harry Potter, seu filme de 2020 Escape From Pretoria foi uma exploração angustiante das prisões políticas sul-africanas. Da mesma forma, Bullock cativou a todos no thriller pós-apocalíptico Bird Box. É a mudança de gênero, e filmar The Lost City, que realmente cimentou o amor de Radcliffe por comédias, ele revela e diz que filmar este filme foi simplesmente “ótimo”. “É tão bom vir trabalhar quando você sabe que sua missão expressa é apenas criar alegria em outras pessoas no futuro”, diz ele. “Então, sim, eu tenho que me forçar a não apenas fazer comédias o tempo todo porque é muito divertido.”

O filme, além de ser hilário e fornecer algum escapismo muito necessário, também aprimora o personagem de Channing Tatum, Alan. Ele é o modelo de capa dos sonhos que leva seu trabalho muito a sério e começa a incorporar Dash em sua vida cotidiana. Existe alguma parte dessa caracterização – em ser anexado a um papel depois de interpretá-lo – que ocorreu com algum de vocês, pergunto aos atores.
Para Radcliffe, é seu papel como Manny no filme Swiss Army Man que fica com ele. Ele é “um cadáver mágico e morto que começa a voltar à vida e a ser realmente útil – é incrivelmente doce e eu realmente gosto dele”, explica ele. Radcliffe acrescenta: “Ele é um dos meus personagens favoritos que já interpretei”. Bullock, por outro lado, não tem problemas em dizer adeus aos personagens. “Eu não sei se há alguém que eu não me importei de deixar ir. Eu tenho um período de atenção muito curto, então quando eu terminar, eu terminei.”

Ao falar sobre sua personagem, Bullock se refere a Loretta como sendo “incrivelmente neurótica e apenas irritante, o que é sempre engraçado”. Mas dentro do personagem, há uma sensação de se perder e perder a paixão pelo que você faz.

Ao longo do filme, a autora é negligenciada ou referida como “passada de seu auge”. É um sentimento que eu pressiono ainda mais com Bullock – você já sentiu isso em sua vida pessoal? Ela ri e diz: “Sou uma mulher… na indústria do entretenimento. ‘Passado do seu auge’ aconteceu aos 28 anos.” Radcliffe fez uma careta, mas concorda: “Esta indústria é a pior por isso”. Bullock fala sobre estar “cansada de lutar” contra essas partes da indústria, mas espera que The Lost City possa “normalizar” o trabalho contra essa retórica.
Ser uma das produtoras permitiu que Bullock tomasse decisões executivas sobre como eles lidaram com esse enredo. “É por isso que conversamos sobre isso”, diz ela. “Eu disse: ‘Você precisa se apoiar no fato de que ela é uma mulher de meia-idade que as pessoas estão dizendo abertamente que já passou do auge’.” É uma experiência pessoal que Bullock queria usar para o filme e muitas das críticas que ela lê sobre si mesma usam exatamente essas palavras. “Eu disse: ‘Você pode, por favor, ir e puxar coisas que realmente foram ditas sobre mim’”, explica ela. E são esses trechos de resenhas que estão espalhados por todo o filme.
Ela acrescenta: “Muitas coisas da vida real estão neste filme que você sabe, você só precisa usar – é engraçado. Eles não podem mais me fazer chorar.”
Embora seja revelador ouvir, o filme em si não se concentra nos lados mais sombrios de ser negligenciado na vida – está longe disso, na verdade. Ao longo do bate-papo, ambos os atores continuamente se referem ao filme como “divertido”, e se nada mais. The Lost City é o tipo de comédia romântica engraçada e engraçada que todos nós precisamos um pouco mais agora.

The Lost City (Cidade Perdida) estreia em 21 de abril de 2022 no Brasil.

Fonte: Stylist UK.
Tradução e Adaptação: Equipe SBBR.




Na tarde de ontem, (31), a atriz marcou uma presença incrível na première de “The Lost City”, em Londres. A atriz roubou a cena com os cabelos volumosos na exibição do filme na Inglaterra.

Era sua grande noite, Sandra Bullock dominou todos os flashes na estreia de The Lost City em Londres. A atriz foi ofuscada com um incrível visual, mas acima de tudo porque esta estreia significou seu adeus aos tapetes vermelhos. Durante a photocall ontem na Inglaterra, Sandra Bullock se pronunciou dizendo que fará apenas uma pausa temporária, “Eu vou fazer uma pequena pausa. E de repente todos estão falando: ‘Você irá se aposentar?’ E, não, vou apenas tirar um tempo off.”

Com os cabelos soltos, cachos perfeitamente definidos e look de Carolina Herrera, a atriz posou para os fotógrafos levantando o casaco trespassado com detalhes de cauda tricolor, fúcsia, vermelho e roxo. É um vestido de alfaiataria preto, que incorpora aquele toque festivo de cores vivas (€3610 euros aproximadamente R$ 18.602,62).

Juntando-se a Bullock estava seu colega Channing Tatum. Ambos se dão muito bem. Tanto que eles declararam publicamente que são “amigos para sempre”.

“Não tenho palavras para dizer o quão especial Sandy Bullock é”, disse Channing Tatum em agosto passado em sua conta no Instagram. Esta mensagem foi então acompanhada por uma foto da filmagem do filme “The Lost City”. Nesta quinta-feira, quase 7 meses depois, o astro de Magic Mike mais uma vez mostrou seu carinho pela parceira.

Dirigido por Aaron e Adam Nee, A Cidade Perdida segue a história de Loretta Sage (Sandra Bullock), uma romancista best-seller sequestrada por um bilionário (Daniel Radcliffe, da saga Harry Potter) em busca de um tesouro antigo. Alan (interpretado por Channing Tatum), modelo que posa para as capas dos livros de Loretta, então embarca em uma missão para salvá-la.

“The Lost City” estreia em todo o país em 21 de Abril.

Confira as imagens em nossa galeria:

APPEARANCES AND EVENTS > 2022 > AT THE LOST CITY PREMIERE IN LONDON, UK (31/03)

SBBR_PTLC0001.JPG
SBBR_PTLC0002.JPG
SBBR_PTLC0003.JPG
SBBR_PTLC0004.JPG




A Forbes divulgou nesta quinta-feira, (24), os 12 maiores sucessos de bilheteria de Sandra Bullock, a queridinha da América. Confira a tradução na íntegra:

Com The Lost City, da Paramount, recebendo críticas decentes e um burburinho sólido, há uma esperança genuína de que o conceito + estrela da velha escola, aventura rom-com para adultos (mas para crianças) possa mostrar que os programadores de estúdio ainda podem trabalhar teatralmente mesmo em um mundo dominado por personagens marcantes, IP nostálgico e conteúdo de streaming. Se alguém pode realizar esse milagre limítrofe, é Sandra Bullock (co-estrelando com Channing Tatum).

A Sra. Bullock, apesar das licenças sabáticas auto impostas, tem sido uma estrela de cinema confiável em uma ampla variedade de gêneros (rom-com, fantasia de ficção científica, melodrama esportivo inspirador, comédia policial, drama conjugal, ação -aventura e vários combos do mesmo) desde Enquanto Você Dormia no início de 1995. Bullock era uma estrela de cinema consistentemente colossal (como Will Smith em seu período de pico de 2002-2008) ela poderia atrair multidões de fim de semana de abertura, longo pós-estreia pernas e pós-vida pós-teatral sólida para quase qualquer tipo de filme. Então, em homenagem ao retorno (temporário?) da atriz à tela grande, além de marcar dois dos cinco filmes mais assistidos da Netflix de todos os tempos (Bird Box e The Unforgivable), reunimos seus 12 filmes de maiores ganhadores de bilheteria. Isso será ordenado por receitas domésticas ajustadas pela inflação (cortesia de The Numbers) e não incluirá seu pequeno papel coadjuvante no épico animado de estrelas da DreamWorks O Príncipe do Egito (US$ 101 milhões em 1998, US$ 193 milhões ajustados). E assim, sem mais delongas, vamos lá.

Demolition Man (Warner Bros.)
US$ 58 milhões em 1993/US$ 129 milhões ajustados.
Sim, este é um papel coadjuvante, e poucos de nós sabiam quem era a Sra. Bullock, a menos que víssemos Love Potion No. 9 ou prestássemos atenção excepcional ao remake de 1993 de The Vanishing. O filme continua sendo talvez a melhor comédia definitiva de Sylvester Stallone (todo o devido respeito ao Oscar). O ator futurista é um dos poucos filmes que gentilmente burla as normas “politicamente corretas” sem se tornar um idiota completo. Há uma parte significativa em que Stallone reconhece que não é legal quando “os bandidos” estão apenas cometendo roubos por comida. O filme evita quaisquer subtextos raciais desagradáveis, deixando Wesley Snipes virar Coringa em uma das tremendas performances cinematográficas pós-Batman. No entanto, ao transformar o que poderia ter sido um papel de “ajudante de bebê” em uma performance cômica completa, Bullock quase rouba seu primeiro grande filme.

Ocean’s 8 (Warner Bros.)
US$ 140 milhões em 2018/US$ 141 milhões ajustados.
Uma reinicialização/relançamento com troca de gênero feita da maneira certa, o spin-off 11 de Ocean de Gary Ross apenas posiciona Bullock como o irmão do aparentemente falecido Danny Ocean de George Clooney dá a ela razão para construir sua glamorosa equipe de assalto. Como os melhores relançamentos/sequências de legado, ele se justifica artisticamente e comercialmente (US$ 290 milhões em um orçamento de US$ 70 milhões, mostrando mais uma vez que as mulheres não são veneno de bilheteria), mesmo que você não se importe com o IP. Quero dizer, é um filme de assalto chamativo estrelado por Bullock, Cate Blanchett, Anne Hathaway (em outra virada cômica auto-satírica), Awkwafina, Rihanna, Sarah Paulson, Helena Bonham Carter e Mindy Kaling. Isso é o suficiente para selar o acordo, e o filme é bastante divertido. Eu não sei se o mundo precisa de uma sequência para isso, mas ficarei feliz em aparecer para outra alcaparra de assalto liderada por Bullock.

Two Weeks’ Notice (Warner Bros.)
US$ 93 milhões em 2002/US$ 146 milhões ajustados.
Na medida em que Bullock e Grant foram ambos definidos pelo gênero, é surpreendente que tenha demorado tanto para eles se conectarem cinematicamente. É outro exemplo de como certas estrelas masculinas (neste caso Hugh Grant) eram tão grandes (em termos de poder de atração) quanto suas co-estrelas femininas. A maioria dos veículos de Grant foram sucessos, mas houve uma clara ascensão quando a co-estrela foi Sandra Bullock ou Julia Roberts em oposição a, não obstante o talento, Jeanne Tripplehorn, Sarah Jessica Parker e Drew Barrymore. Este não é um ponto alto do gênero, colocando um santo viciado em trabalho contra/ao lado de um bilionário detestável cujo comportamento é (na melhor das hipóteses) excepcionalmente imprudente. Eu não tenho nenhuma objeção aos tropos “de inimigos a amantes”, mas você não deve passar um filme inteiro esperando que ela fique esperta e se afaste dele.

While You Were Sleeping (Walt Disney).
US$ 81 milhões em 1995/US$ 171 milhões ajustados.
Houve uma época em que o público gostava de um ator ou atriz em um grande filme e depois aparecia nos cinemas quando esse artista ganhava seu veículo estrela. Enquanto a imprensa ficou obcecada principalmente com o remake de David Caruso e Nicolas Cage (muito bom) Kiss of Death (e, eventualmente, Bad Boys de Michael Bay), esta comédia romântica de conto de fadas sob o radar foi a maior bilheteria pré-verão do ano. O alto conceito do filme, sobre uma funcionária de pedágio sem sorte que resgata sua paixão de um acidente de metrô apenas para tropeçar em uma situação em que todos (incluindo a vítima de assalto com amnésia) pensam que estão noivos. Para complicar as coisas é a química genuína dela e os eventuais sentimentos pelo irmão do cara. É uma excelente versão do que você espera que seja. Além disso, Bill Pullman (Malice, Sleepless In Seattle, etc.) fica com a garota pela primeira vez desde Spaceballs.

Miss Congeniality (Warner Bros.)
US$ 107 milhões em 2000/US$ 177 milhões ajustados.
Este sucesso do Natal de 2000 (10,7 vezes seu fim de semana de estreia nacional) pode ser o protótipo do veículo estrela Sandra Bullock. É também o tipo de filme que Hollywood precisa desesperadamente começar a fazer novamente. O gênero híbrido de alto conceito (um policial durão se disfarça como um concurso de beleza para pegar um terrorista) ganhou US$ 212 milhões com um orçamento de US$ 45 milhões. Ele gerou uma sequência nada assombrosa, mas inofensiva (US $ 107 milhões/US $ 45 milhões em 2005) tem seu bolo e come também, gentilmente prejudicando a indústria de concursos de beleza por suas fundações regressivas, enquanto ainda observa seu potencial para construção de personagens e ideais progressivos. Seja como for, é apenas uma boa diversão de Hollywood, com turnos de apoio a atuação de Michael Caine e William Shatner e um interesse amoroso sedutor de Benjamin Bratt. Miss Simpatia pode não ser um clássico, mas é tão bom quanto esperávamos que todos os lançamentos teatrais de nível A fossem.

The Heat (20th Century Fox).
US$ 160 milhões em 2013/US$ 18 milhões ajustados.
Infelizmente, demorou até 2013 para obter uma comédia policial com um orçamento decente. Eu gostaria que o filme dirigido por Paul Feig e escrito por Katie Dippold fosse um filme melhor, mais nítido e mais engraçado. Ambos Bullock (retornando aos veículos estelares após um período sabático de quatro anos pós-Oscar) e Melissa McCarthy (recém-saída do veículo estelar Identity Thief) estão comprometidas. Ainda assim, muito do filme é Bullock e McCarthy fazendo riffs uma para a outra sem espectadores ou McCarthy fazendo seu schtick abrasivo contra personagens que francamente não merecem. A hostilidade de McCarthy cria uma situação de “torcer contra a ação”, pois você quer que ela se reúna e ajude Bullock a resolver o crime. Ainda assim, há risos a serem encontrados, especialmente quanto mais o filme se compromete a ser um filme de ação com classificação R. Seu sucesso não surpreendente (US$ 229 milhões em todo o mundo com um orçamento de US$ 43 milhões) foi mais uma evidência de que o público estava desesperado por programadoras de estúdio lideradas por mulheres.

The Proposal (Walt Disney).
US$ 164 milhões em 2009/US$ 200 milhões ajustados.
Assim como Wild Hogs, que acabou de completar 15 anos, A Proposta é um exemplo de como Walt Disney nem sempre dependeu de filmes da Marvel e remakes nostálgicos. Claro, a Walt Disney Animation estava em um período de transição e a Pixar era sua marca mais proeminente. No entanto, eles ainda poderiam lançar um veículo estrela de alto conceito que poderia arrecadar US $ 317 milhões em todo o mundo com um orçamento de US $ 40 milhões. E enquanto A Proposta, estrelada por Sandra Bullock como uma editora-chefe prestes a ser deportada para o Canadá e Ryan Reynolds como um assistente sofredor que concorda em se casar com ela, estreou ao lado de A Ressaca, apenas os últimos anos inspiraram aspirantes a imitadores. As qualidades quase domadas da Megera da Proposta eram duvidosas na época e ainda mais agora. Ainda assim, o filme funcionou para o público pagante (com um multiplicador de 5x do fim de semana até o final) e começou um retorno muito tardio para Betty White como uma queridinha da cultura pop.

A Time to Kill (Warner Bros.)
US$ 109 milhões em 1995/US$ 226 milhões ajustados.
A Time to Kill, de Joel Schumacher, baseado no primeiro romance do advogado que virou autor John Grisham. Ele estreou com US $ 14,8 milhões, superando o Dia da Independência no quarto fim de semana do filme, e chegou a US $ 108 milhões como o único sucesso pós-Dia da Independência durante toda a segunda metade do verão de 1996. O filme transformou Matthew McConaughey em uma estrela e continuou Sandra Bullock (como assistente legal da águia de McConaughey) e as respectivas faixas quentes de Kevin Spacey. Está aberto a acusações de “salvador-branco”, mas também é assumidamente antirracista e não tenta humanizar seus bandidos racistas. O filme adulto e com classificação R é um pouco autoconsciente de seu lugar e tempo, tanto em termos do monólogo da prisão de Jackson “você e eu não somos amigos” quanto do argumento final dramático, mas não impreciso, de McConaughey.

Speed (20th Century Fox).
US$ 121 milhões em 1994/US$ 272 milhões ajustados.
Uma estrela nasce quando Sandra Bullock rouba o thriller de alto conceito de Jan De Bont. É também um sucesso crítico no desenvolvimento de Keanu Reeves como estrela de cinema, já que Jack Traven é um herói de ação machista que também é bonito e excessivamente compassivo. Ah, e Speed ​​é um dos melhores filmes de ação de Hollywood de todos os tempos. Bullock é um substituto do público, encontrando-se dirigindo um ônibus desgovernado que não pode ir abaixo de 50 milhas por hora para não explodir. O resto dos passageiros sitiados formam uma micro comunidade que dá às acrobacias e quase-acidentes uma força emocional. Mesmo a sequência do elevador do elevador não mostra uma derrota traumática, mas uma vitória improvável, que o mantém no limite para a eventual queda. Velocidade era uma piada até que todos o vissem (lembra quando Blown Away era o grande filme de bomba do verão de 1994?), e agora é justamente aclamado como um dos melhores filmes de um dos melhores anos de Hollywood.

Gravity (Warner Bros.)
US$ 274 milhões em 2013/US$ 309 milhões ajustados.
O otimismo presente no lançamento do blockbuster aclamado pela crítica de Gravity, que o público iria aparecer para blockbusters dirigidos por mulheres, que os cinemas forneceram experiências de entretenimento insubstituíveis e que um filme original poderia arrecadar grandes bilheterias globais (US$ 723 milhões em US$ 100 milhões). orçamento) pode ter sido de curta duração. No entanto, o drama de sobrevivência no espaço sideral de Alfonso Cuarón continua sendo um espetáculo de cair o queixo, indutor de vertigens e lágrimas. O primeiro rolo ainda é impressionante, pois estabelecemos nossos personagens principais (dois astronautas interpretados por Bullock e George Clooney), nos despedimos de um deles e preparamos o cenário para um auto-resgate no espaço profundo. Ganhou 5x sua abertura de US$ 55 milhões e se consolidou no início de outubro como um lugar seguro para blockbusters. Gravity foi justamente aclamado em sua época, mas seu sucesso estava tão ligado à experiência teatral que agora é quase “subestimado”. Claro, ele funciona melhor nos cinemas com óculos 3-D, mas (como Avatar) ainda dá uma boa surra em uma televisão 2-D de tela grande.

The Blind Side (Warner Bros.)
US$ 256 milhões em 2009/US$ 310 milhões ajustados.
O discurso em torno deste tornou-se complicado ao longo dos anos, e vou notar que não é um documentário. No entanto, The Blind Side continua sendo um programador de estúdio sólido, bem feito e bem atuado sobre pessoas legais/boas que fazem o bem para outras pessoas legais e são recompensadas. Vagamente baseado em uma história da vida real sobre uma família rica do sul que adotou um pobre estudante negro do ensino médio e ajudou a torná-lo uma estrela da NFL, Bullock geralmente joga com discrição (os poucos momentos exagerados foram, é claro, o chave para o marketing). Ela compartilha uma química cômica calorosa com Quinton Aaron para garantir que o filme seja tanto sobre Mike Oher quanto sobre Leigh Anne Tuohy. Ele superou Star Trek no mercado interno com 7,7 vezes seu fim de semana de estreia de US$ 33 milhões. Também fez de Bullock a primeira atriz a ganhar um Oscar (por este filme) e um Razzie (por All About Steve) no mesmo fim de semana.

Minions (Universal).
US$ 337 milhões em 2015/US$ 377 milhões ajustados.
Ok, então este não é exatamente um veículo estrela Sandra Bullock convencional. Ainda assim, sua atuação exagerada como a principal vilã (Scarlett Overkill) se qualificou como um elemento de valor agregado para os pais acompanharem essa comédia criminal dos anos 1960. Ele abriu bem no final de sua impressionante era de 2007 (Premonition) a 2015 (Minions), onde ela quebrou seu recorde pessoal de abertura de fim de semana seis vezes quase seguidas (desculpe All About Steve e um papel coadjuvante em Extremamente Alto e Incrivelmente Perto de 2011). O filme estreou com US$ 115 milhões. Embora não seja um clássico moderno (embora no seu melhor, tenha a anarquia caótica dos curtas Looney Tunes mais antigos), seu sucesso continua sendo um exemplo refrescante de uma nova franquia com grande pontuação em vez de nossas propriedades favoritas para crianças serem reaquecidas ou refeitas para nossos filhos.

Fonte: Forbes.
Tradução e Adaptação: Equipe SBBR.




Sandra Bullock se abriu sobre a maternidade e sua decisão de fazer um hiato de atuar em uma entrevista exclusiva com “Good Morning America”. Confira a tradução:

A vencedora do Oscar, cujo novo filme, “The Lost City”, já está disponível, conversou com o co-âncora do “GMA”, Michael Strahan, sobre se afastar de Hollywood para passar mais tempo com seus dois filhos, Louis e Laila.
“Neste momento, não quero criar nada que me afaste de apenas estar presente”, disse ela. “Não quero fazer muitas coisas ao mesmo tempo que não sirvam à única coisa que quero ter por perto – minha família”.
Bullock, disse que não sabia quanto tempo duraria o hiatus, mas disse que chegou a sua decisão por causa de quanto tempo ela passa longe deles enquanto trabalha em um projeto.
“Por causa do meu trabalho, eu tenho que sair por muito tempo durante o dia. Eu os levo para todos os lugares, mas são 15 horas por dia e então você chega em casa e, se está produzindo, está de plantão”, disse ela. “Eles sentem sua falta.”

Quando perguntada sobre qual é sua parte favorita de ser mãe de Louis e Laila, Bullock disse que “provavelmente é o fato de eu não ter meus filhos quando ainda estava procurando por quem eu era”. Em suma, é tudo uma questão de tempo.

“Eu precisava crescer”, disse ela. “Eu sei quem eu sou. Eu sei o que não sou. Estou sempre crescendo, mas não sinto que estou com raiva dizendo ‘Estou perdendo a vida porque tenho [filhos]’. Não.”

Ela continuou: “Eu olho para minha vida antes dos meus filhos e não quero dizer que parecia uma perda de tempo, apenas parecia que eu estava correndo para um destino que não existia. Agora estou aqui e eu não quero estar em nenhum outro lugar.”

Bullock também refletiu sobre sua impressionante carreira em Hollywood, notavelmente co-estrelando em 1994 “Speed” com Keanu Reeves há quase 30 anos e ganhando o Oscar por “The Blind Side” em 2010.
De “Speed”, ela lembrou como Reeves era “gentil e inclusivo”, dizendo: “Ele era a estrela. Eu estava feliz por estar lá”.
Apesar de ter participado de alguns dos filmes mais amados de todos os tempos, incluindo “Miss Simpatia”, “A Proposta” e “Gravidade”, apenas para citar alguns, Bullock disse que não é fã de rever seus filmes.

“Só porque você está olhando para ele dizendo, ‘Eu poderia ter feito melhor. Oh, eu gostaria de ter falado. Ugh, eu pareço terrível.’ Você sabe?” ela disse. “Você apenas começa a olhar para isso como um crítico muito irritado.”
Quanto a ganhar seu Oscar, Bullock admitiu que não se lembra de todos os detalhes sobre aquela grande noite porque tinha um recém-nascido em casa.
“Eu não dormi”, disse ela. “Eu estava babando. Eu estava tão cansada. É um dos momentos que eu adoraria voltar e dizer, ‘Uau, eu gostaria de estar presente naquele momento.'”

Confira o vídeo na íntegra:




Em uma das ruas mais legais de Austin, um destino para os descolados e famintos. Este é o Walton’s Fancy and Staple, um café e floricultura em um prédio de tijolos centenário de propriedade e restaurado pela atriz e produtora Sandra Bullock. “Adoro a ideia de encontrar um propósito para algo que foi criado originalmente para outro propósito”, disse ela. Este lugar, que já foi uma oficina de conserto de cavalos e carruagens, agora é um destino para os gourmets locais.

“Para mim, isso é tão gratificante quanto fazer filmes”, disse Bullock à correspondente Tracy Smith. E se você conhece os filmes dela, isso realmente diz alguma coisa.

Em “The Lost City” (da empresa-mãe da CBS, Paramount), Bullock estrela como uma romancista sequestrada que – junto com o modelo de capa de seu livro, Channing Tatum – luta para voltar à civilização através de algumas situações angustiantes e cômicas dignas de constrangimento. Smith disse sobre a cena das sanguessugas: “É novo que a pessoa que tira a roupa seja o cara”. “Porque ninguém queria que eu fizesse isso”, disse Bullock. “Você acha que eu estou brincando? Eu não estou! E Channing era o único disposto a malhar o tempo todo. Eu não estava disposta.” É o capítulo mais recente de uma carreira que a levou de um ônibus urbano em alta velocidade em “Speed“, de 1994, para uma viagem ainda mais angustiante em “Gravity”, de 2013. Claro, ela também é conhecida por sua marca de comédia física. É algo que ela diz que aprendeu desde cedo, graças à sua mãe. “Minha mãe não tinha senso de humor, a menos que você se machucasse, e então ela iria rir pra caramba”, disse Bullock. “Então, percebi que o caminho para o coração da minha mãe era através da comédia física”.

“Então, você faria pratfalls?”

“Eu cairia o tempo todo!”

E é justo dizer que o mundo do cinema se apaixonou por ela: ela fez mais de quatro dúzias de filmes, ganhou inúmeros elogios, mas também teve sua parcela de tristeza no mundo real. Smith perguntou: “Jogue comigo: em uma escala de 1 a 10, como está a vida agora?” Bullock deliberou. “Eu diria que é, você sabe, é a minha vida, então é cerca de 9,2.”

“Isso é muito específico! Por que 9,2?”

“Porque o outro sapato vai cair. Vai cair.”

O outro sapato pareceu cair mais forte em 2010. Começou bem, com a adoção surpresa de seu primeiro filho. “Ele foi inesperado, não foi planejado. Recebi um telefonema um dia, ‘Sua documentação está aqui’, e isso depois de anos depois de arquivá-lo, anos.”

“Oh meu Deus. Então, do nada, bum?”

“Foi literalmente do nada. E então, me entregaram um saco plástico e uma criança.” E algumas semanas depois, com a adoção ainda em segredo, ela recebeu um Oscar por “The Blind Side”. Mas mesmo durante seu discurso de aceitação, ela disse que sua mente estava em seu bebê: “Tudo o que eu pensava era: ‘Ele está em casa.’ Tipo, eu não me importava. Eu não me importava que eu estivesse lá, eu só queria ir para casa. E então eu fui costurada no vestido. Eu fui costurada no vestido, e eu tive que sair do vestido, mas tudo que eu queria fazer era ir para casa e alimentar Lou.” Smith perguntou: “Como você se livra de um vestido quando está costurado?” “Você acaba rasgando ele”, ela respondeu. “Eu rasguei. E então eu pedi para eles consertarem. Eu disse, ‘Eu não sei o que aconteceu! Todas as costuras caíram!'” E dias depois, as rodas saíram de seu casamento com a estrela de reality Jesse James, deixando-a para criar seu filho bebê sozinha – e excluir o resto do mundo da melhor maneira possível. Bullock disse: “Quero dizer, tanta coisa aconteceu. Como você processa o luto e não machuca seu filho no processo? É um recém-nascido, eles sentem tudo o que você está sentindo. Então, minha obrigação era com ele e não macular o primeiro ano de sua vida com a minha dor.” Bullock desde então adotou uma garotinha também. (Ela nos pediu para não usar fotos de seus filhos.)Ela diz que mesmo em seu mundo privilegiado, ela teve um gostinho real das batalhas que outras mães travam todos os dias: “Você sabe, meus filhos são negros. Eu tenho um nível de defesa que milhões de mães têm que não são brancas. Você sabe, eu tenho uma compreensão de como é assustador, e eu fico muito emocionada, porque eu penso em centenas de anos de mulheres que nunca foram capazes de relaxar na maternidade. Elas nunca foram capazes de relaxar.”

“Preocupada com seus filhos?”

“Sim, de uma forma que nós, mulheres brancas, não precisamos nos preocupar. Você se preocupa com outras coisas, mas se você realmente, realmente, realmente parar um minuto e pensar em centenas de anos de mães não sendo capazes de desfrutar, livremente, o nascimento de uma criança – seu filho se tornando um jovem – todas essas coisas representam medo e perda.”

Em termos de carreira, Bullock queria dar ao público algo para sorrir com seu último filme. Mas ela diz que “The Lost City“, que estará nos cinemas esta semana, será seu último filme, pelo menos por enquanto. “Posso ser criativa, posso fazer parte de uma comunidade, mas agora, o trabalho na frente da câmera precisa fazer uma pausa”, disse ela. Por quanto tempo?” perguntou Smith. “Eu não sei. Eu não sei. Até que eu não sinta como me sinto agora quando estou na frente de uma câmera.” “Que é…?” “Eu quero estar em casa. Não estou fazendo nenhum favor a ninguém que está investindo em um projeto se estou dizendo: ‘Eu só quero estar em casa.’ Porque eu estava sempre correndo, eu estava sempre correndo para a próxima coisa. Eu só quero estar presente e responsável por uma coisa.”

“Então, você sabia que filmar este filme seria o último por um tempo?”

“Sim. E eu não sei o que é ‘um tempo’. Eu não sei o que é isso. Eu adoraria limpar o porão.”

“Você está sendo literal?”

“Eu sou literal!” disse Bullock. “Eu tenho um quarto onde todas as minhas coisas pessoais vão, por todos os anos. Eu quero passar por isso, e quero ver se me lembro de alguma coisa.” Sua família vem em primeiro lugar, em casa, e no Walton’s Fancy and Staple, onde sua irmã Gigi projeta alguns dos doces. Bullock mostrou a Smith os ovos de ouro: “Eles são despretensiosos, mas são a receita da minha irmã, uma combinação de um churro, um donut e um snickerdoodle.” Smith perguntou: “Você é uma pessoa de doces?” “Sim, muito. Eu tenho um problema. Obviamente!” Ou, talvez, Sandra Bullock saiba quando algo é doce e aprendeu a apreciá-lo. Smith perguntou: “O que você vê na sua frente agora?” “Ela está tipo, ‘Eu vejo uma bola de cristal…'” Bullock riu. “Não sei! É isso que assusta um pouco, não sei. Veja: daqui a seis meses não aguento mais, preciso voltar ao trabalho. Mas não quero. Se esse sentimento vier, eu não quero fazer isso. Eu não quero depender do trabalho para me preencher. Mas eu simplesmente não vejo muito, além de todos sob o meu teto. É isso. Eu sei que não é muito sexy, mas quer saber? É meu.”

Confira o vídeo na íntegra:

Fonte: CBS News.
Tradução e Adaptação: Equipe SBBR.




Sandra Bullock está se abrindo sobre sua decisão de se afastar da atuação. A atriz conversou com Tracy Smith no “CBS Sunday Morning” sobre seu mais novo filme e sobre a necessidade de fazer uma pausa por um tempo. Confira a tradução na íntegra:

“Posso ser criativa, posso fazer parte de uma comunidade, mas agora, o trabalho na frente da câmera precisa fazer uma pausa”, disse ela. Quando perguntada por quanto tempo ela ficaria longe das telas, a atriz de 57 anos respondeu: “Eu não sei. Não sei. Até que eu não sinta como me sinto agora quando estou na frente de uma câmera.” Ela explicou que grande parte de sua fadiga atual era uma sensação de esgotamento.

“Quero estar em casa. Então, não estou fazendo nenhum favor a ninguém que está investindo em um projeto se estou dizendo: ‘Só quero estar em casa’. Eu só quero estar presente e responsável por uma coisa.” A atriz confessou que sabia que entrar em “A Cidade Perdida”, seria seu último filme em um futuro próximo.

Ela havia anunciado a decisão de fazer uma pausa enquanto conversava com ET. Na época, ela explicou que a mudança a ajudaria a se concentrar em sua família. “Eu levo meu trabalho muito a sério quando estou no trabalho”, disse Bullock. “E eu só quero estar 24 horas por dia com meus bebês e minha família.”

A entrevista completa vai ao ar na CBS e Paramount+ em 20 de março.

Fonte: ET Canada.
Tradução e Adaptação: Equipe SBBR.